Tudo sobre Assassin’s Creed: do primeiro ao IV. Jogos, filmes, livros e mais.

A franquia Assassin’s Creed ganha mais uma versão, de número IV, neste mês de novembro, no Brasil (Outubro, nos States) e muita gente ainda nem sabe exatamente o que aconteceu, por que o IV não é o quarto jogo, quem é o novo Assassino e muitos outros detalhes. Claro, tudo isso porque Assassin’s Creed é uma série um tanto complexa em termos de história e merece uma introdução mais didática para quem ainda não a conhece.

Hoje, Assassin’s Creed, ou simplesmente ‘AC’, como dizem os fãs, já saltou dos games para os livros, para as Histórias em Quadrinhos e em breve chegará ao cinema. É fácil encontrar colecionáveis, roupas e acessórios (até cópias fiéis das peças utilizadas pelos personagens) e muitos outros produtos, como, por exemplo, capachos. Tudo isso, claro, graças ao sucesso que a franquia vem ganhando desde o lançamento de seu primeiro título, lá em 2007, e que, hoje, é certo dizer, AC é o atual centro das atenções da produtora Ubisoft.

(Antes de continuar, vale ressaltar, o texto é longo. São pelo menos seis seções e se você estiver procurando por uma informação específica, aqui vai um pequeno índice, que talvez ajude a se localizar no conteúdo a seguir).

Do que se trata Assassin’s Creed (A história descrita numa conversa de elevador)

Prince of Persia: Assassins (Sabia que a ideia surgiu de Prince of Persia?)

Os principais games da série (Só aqueles lançados para console e PC)

Assassin’s Creed além dos jogos (Filmes, livros, animações e quadrinhos – e também os jogos considerados spin-off)

Todos os Assassinos (Sim, são vários. Mas falemos só dos ‘principais’)

O futuro da série (mas já?) (Os boatos sobre Assassin’s Creed Rising Phoenix.)

Todos os assassinos da série Assassin's Creed

Mas, afinal, do que se trata Assassin’s Creed?

O jogo é basicamente sobre uma eterna briga entre Assassinos e Templários que percorre desde tempos primórdios até os dias de hoje. Por um lado, os Templários querem governar o mundo através da Ordem, enquanto os Assassinos acreditam que o mundo deve seguir seu curso natural por meio da liberdade (“Nothing is true. Everything is permitted” é o lema dos Assassinos). Os duelos entre essas duas ‘ordens’ é contado por muitos pontos de vista, mas um personagem, em especial, tem sua vida retratada bem de perto em AC, centrado no ano de 2012, enquanto os diversos títulos da franquia visitam diferentes períodos históricos para contar a rixa entre as duas ordens.

Os períodos apresentados nos principais jogos da série são:

– Terceira Cruzada

– Renascimento

– Revolução Americana

Agora, o novo título, Assassin’s Creed IV Black Flag se passa na idade de ouro da pirataria. …Mas, vamos começar do começo (lembrando que é difícil falar de Assassin’s Creed sem revelar um pouco da história do jogo, já que muitas versões da franquia foram lançadas há algum tempo. E, claro, este panorama aqui tenta, ao máximo, falar dos jogos, sem estragar as surpresas).

Prince of Persia: Assassins

Poucos sabem, mas a primeira ideia de “Assassin’s Creed” advém de outra grande franquia da Ubisoft: Prince of Persia. Segundo Philippe Bergeron, Design Director da Ubisoft Montreal, quando a Ubisoft estava trabalhando em Prince of Persia: The Two Thrones, lançado em 2005, as ideias para aquela versão de Príncipe da Pérsia começaram a se tornar ‘grandes demais’ para aquele jogo. As pesquisas históricas se aprofundaram bastante com relação à Terceira Cruzada e o que havia acontecido naquele período. As informações levantadas para o jogo foi suficiente (e destinou) para criar outro jogo, onde o material seria muito melhor aproveitado.

Para quem jogou ambas as franquias é muito fácil perceber a semelhança em diversos aspectos, as animações dos assassinos em AC e do Príncipe em PoP (Prince of Persia) possuem notórios traços de semelhança (para quem não sabe, o personagem de PoP se chama somente Príncipe), como as coreografias nas lutas e os movimentos equilibristas escalando paredes e saltando entre ‘telhados’.

Da possível versão deste jogo que, de certa maneira, não aconteceu, o que rola pela internet são imagens que atestam a interligação entre a origem de AC e uma versão ‘spin-off’ de PoP. Neste jogo, a história seria com base num grupo de Assassinos que teria como missão principal guardar a vida do Príncipe, ainda jovem. Em algumas artes conceituais desta versão de PoP é possível identificar os elementos de AC, como a “lâmina oculta”, os trajes furtivos e o característico capuz dos Assassinos. Segundo os boatos, o nome do jogo seria “Prince of Persia: Assassins”.

Confira algumas fotos do que seria Prince of Persia Assassins.

Assassin’s Creed – os principais games da série

 

Assassin’s Creed – “Nada é verdade, tudo é permitido”

Assassin’s Creed tem sua principal história centrada no personagem Desmond Miles, um barman que começa a ter sua vida contada a partir de seu sequestro feito por uma grande empresa (de fachada) chamada Indústrias Abstergo. O motivo do sequestro é a procura da Abstergo pelo antigo artefato chamado Maçã do Éden, uma joia poderosa criada por seres que precederam os homens, e que os antepassados de Desmond, de alguma maneira souberam do seu destino. Através do Animus, uma máquina capaz de vasculhar as

memórias contidas no DNA de Desmond, a Abstergo reproduz a vida desses antepassados e aí o jogo começa e conhecemos o primeiro Assassino da franquia: Altaïr Ibn-La’Ahad.

No primeiro título, o jogador controla tanto Desmond, quanto Altair, mas a maior parte do jogo se passa na época da terceira cruzada, onde Altaïr é apresentado como membro da Ordem dos Assassinos (Hashshashin), que luta contra a Ordem dos Templários passando por cidades como Acre, Damasco e Jerusalém. Sem entregar o final do jogo, e lembrando que AC sempre segue duas linhas narrativas paralelas, as lutas de Altaïr acontecem na lembrança de Desmond, que está na verdade em poder das Indústrias Abstergo, que procura a Maçã do Éden. Complicado até aqui? Prepare-se, este foi só o primeiro jogo da franquia.

Trailer de Assassin’s Creed:

 

Assassin’s Creed II – “Requiescat in pace”

Após o sucesso de Assassin’s Creed em 2007, o mercado (e os gamers) já esperavam ansiosamente pela continuação. E a espera valeu a pena. Assassin’s Creed II veio a público em 2009, melhorando e muito a jogabilidade e trazendo diversos elementos que se tornariam marca registrada da franquia, um novo período histórico explorado e um novo Assassino: Ezio Auditore da Firenze.

Agora localizada na Itália renascentista, ACII iniciou a trajetória do Assassino italiano contando sua história desde o nascimento. Mas, falando da história do jogo, é preciso voltar ao ponto principal e ACII continua seu intrincado enredo com foco em Desmond Miles, e a história recomeça exatamente de onde AC parou. O barman escapa dos laboratórios da Abstergo com Lucy Stillman. A moça se revela fazer parte de um grupo que trabalha em prol dos Assassinos. E eles tem que fazer de tudo para que os templários não encontrem a Maçã do Éden. Ao lado desse grupo, Desmond utiliza uma nova máquina para reentrar em suas lembranças, o Animus 2.0, e eis que conhecemos a história de Ezio.

Assassin’s Creed II se tornou um sucesso por diversos motivos: o intrigante enredo de Desmond ganha mais detalhes e mistérios, a história do carismático Ezio Auditore é contada desde seu primeiro dia de vida (o jogador realmente vê Ezio nascer), os cenários reproduzindo as cidades italianas renascentistas são caprichosamente detalhados e muitas figuras históricas aparecem no enredo, de Lorenzo de Médice, passando pela família Bórgia, Machiavelli e Leonardo Da Vinci.

Entretanto, enquanto Altaïr lutava por honra em AC, Ezio luta por vingança e sua trajetória de Assassino cruza com os Templários, rumando ao confronto contra inimigos poderosos. E, também diferente do primeiro jogo, Assassin’s Creed II termina com um gostinho de “quero mais” e a Ubisoft fez de propósito, pois em pouco tempo surgiu o sucessor da franquia.

Trailer de Assassin’s Creed II:

 

Assassin’s Creed Brotherhood – A reconstrução da irmandade

Em Assassin’s Creed II, o legado dos Assassinos repousa sobre Ezio Auditore. Com a morte do seu pai, Ezio cresce e descobre toda a história por trás da Ordem dos Assassinos, assim como, também, sobre os Templários. Os primeiros anos de sua vida adulta como Assassino são a introdução para todo o desenrolar de sua história à frente da Ordem, e, em Assassin’s Creed Brotherhood, nós testemunhamos o amadurecimento do Assassino, e também de sua jornada.

Não mais o “jovem” do jogo anterior, em AC Brotherhood encontramos Ezio mais maduro e consciente de seu papel. Após “praticamente” concretizar sua vingança, o Assassino italiano se defronta com as consequências de suas escolhas feitas em ACII. O cenário, desta vez, é a cidade de Roma, onde você controla Ezio como um mestre assassino e reconstrói, tanto a cidade, como a sua irmandade, recrutando e treinando assassinos para a Ordem, ao mesmo tempo em que luta contra as forças da família Bórgia, no poder da Itália e do Vaticano.

Por outro lado, o desenrolar da história de Desmond Miles continua, e permanece a briga entre as Indústrias Abstergo (ainda em busca das informações no DNA de Desmond) e os Assassinos foragidos. A história envolvendo seres precursores da raça humana e a Maçã do Éden, e a ligação entre Desmond, Ezio e Altair ganham mais complexidade, ao mesmo tempo que, em termos de jogo, o controle sobre as ações de Desmond, no presente, se tornam maiores. O decorrer do enredo leva a muitas questões, que são direcionadas para o próximo título.

Trailer de Assassin’s Creed Brotherhood:

Assassin’s Creed Revelations – A conclusão da saga Ezio

AC Revelations é considerado o ápice da saga dos Assassinos por muitos dos fãs da série. Isso aconteceu, principalmente, por, claro, assim como no título, haver muitas revelações sobre a intricada história, reunir os personagens da saga em apenas um jogo e também anunciar a conclusão da saga de um dos mais carismáticos Assassinos da série, Ezio Auditore.

Nesta versão, Ezio está mais velho e decidido quanto ao seu papel na Ordem dos Assassinos. Após anos de muitas lutas e questões, agora o assassino italiano parte para Masyaf, onde está a antiga casa da Ordem dos Assassinos (que, para quem jogou o primeiro Assassin’s Creed, com certeza sentiu a sensação de estar voltando para um lugar antigo bem conhecido) para desvendar os segredos por trás do maior dos Assassinos que já existiu, Altaïr.

Além da jornada de Ezio em busca de respostas, no tempo presente, Desmond Miles está preso dentro do Animus e, em uma jornada pelo universo paralelo existente na máquina, ele vem a conhecer muito mais sobre o que está em jogo, quando encontra Subject 16 (Clay Kaczmarek), um indivíduo conhecido por, entre outras coisas, trabalhar como agente infiltrado na Indústrias Abstergo e ter se tornado mentalmente perturbado após grande quantidade de horas dentro do Animus. Conhecendo Subject 16, Desmond passa a conhecer mais sobre o passado, a Maçã do Éden e sobre ele mesmo.

Em Revelations também é possível reviver o controle de Altaïr e saber mais da história do grande Assassino. E, apesar de AC Revelations concluir a saga de Ezio Auditore e explicar muitas coisas sobre Altaïr, a história de Desmond Miles ainda permanece sem um desfecho.

Trailer de Assassin’s Creed Revelations (o melhor trailer da série, com certeza):

Assassin’s Creed III – Um novo período a ser explorado

Apesar do número três, Assassin’s Creed III não é o terceiro jogo da série e, contando apenas com os jogos lançados para consoles e PC, trata-se do quinto título (AC possui alguns jogos spin-off, que você até confere neste post, mas, até por questões de clareza, vamos tratar os jogos de console e PC como a “linha principal” do enredo).

Muito esperado pelos fãs da franquia e também pela indústria de jogos, ACIII foi lançado em 2012 e trouxe uma boa experiência para os amantes da série, mostrando muitas novidades em termos de jogo, muitas horas de jogo, um cenário completamente novo, um novo assassino e, claro, a continuação da história da luta entre os Assassinos e Templário por entre a história da humanidade.

Assassin’s Creed III conta a história de Ratonhnhaké:ton (pronuncia-se ‘Ra-doon-ha-gay-doon’) um mestiço dos índios mohawk e ingleses que cresce no cenário da Revolução Norte Americana (entre os anos 1753 e 1783) e segue o legado de sua família, ocupando um lugar na briga entre Assassinos e Templários. A jornada de Ratonhnhaké:ton, apelidado como Connor, se passa no período em que grandes nomes da história norte-americana existiam e atuavam diretamente no destino daquele ‘país’: Benjamin Franklin, Thomas Jefferson e George Washington.

Ao mesmo tempo em que Connor luta pelo destino do país, Desmond Miles continua sua saga, desta vez com a ajuda de ninguém menos que Willian Miles, o pai de Desmond e também o atual grão-mestre da Ordem dos Assassinos. Junto a isso, o iminente acontecimento aguardado na data de 12 de dezembro de 2012 (12/12/12) também figura entre o enredo e, é possível dizer que a história de Desmond, por fim, chega a um ponto em que há um desfecho (só que não).

AC III possui algumas particularidades interessantes como a polêmica passagem de Desmond pelo Brasil, a presença de Haytham Kenway, pai de Connor e um destaque importante para o belo trabalho de dublagem para os personagens mohawk que tiveram sua língua preservada, mostrando uma excelente qualidade de ambientação e ‘fidelidade’ histórica, feito pela Ubisoft (o que é curioso, visto que a polêmica da passagem de Desmond pelo Brasil se trata exatamente da peculiar dublagem que caracteriza os brasileiros do jogo).

Trailer de Asssassin’s Creed III:

Assassin’s Creed IV Black Flag – A era de ouro da pirataria

A mais nova versão da franquia, que será lançada ainda neste mês de novembro, já se encontra disponível nas versões digitais de Playstation 3, Xbox 360 e Nintendo Wii (como fã de Assassin’s Creed, claro, eu tive que jogar a versão digital para PS3), e traz ainda mais novidades para o universo de AC, com um grande jogo, digno da franquia e, também, valendo a sua espera.

Assassin’s Creed IV Black Flag conta a história de Edward Kenway, o pai de Haythan Kenway, apresentado em ACIII e avô de Connor, o Assassino dos anos da Revolução Norte Americana. Edward navega por entre muitas ilhas na ‘índia ocidental’, com destaque para Havana, Kingston e Nassau, o lar dos piratas. O jogo traz um verdadeiro oceano de possibilidades com diferentes cidades a serem exploradas nessas grandes ilhas e muitas descobertas em ilhas menores. Mas, ampliando a diversão começada em ACIII, agora Black Flag traz uma experiência mais elaborada e fácil quando se está no controle de um barco. Edward comanda o Gralha (Jackdaw, no original), um barco que vai te levar para o mais diferentes lugares do universo criado no jogo. E, mais do que navegar, é possível também explorar o fundo do mar, no novo modo submarino, onde é possível encontrar tesouros e também enfrentar ameaças.

Enquanto Edward Kenway é o protagonista no mundo histórico, por outro lado, há ainda “o mundo” que é controlado ‘do lado de cá’. Assim como esperado, a realidade presente dos Assassinos ainda existe, e o rumo que a história toma, agora, é, no mínimo, curiosa para quem gosta da saga de Desmond Miles. Para quem gosta somente de acompanhar os Assassinos no passado também é possível deixar o presente um pouco de lado, mas, para os aficionados pela história de Assassin’s Creed, há muita coisa para ser descoberta.

(Um dos) Trailer de Assassin’s Creed IV Black Flag:

Assassin’s Creed além dos jogos e outros assassinos

O sucesso dos games expandiu a série para muitas mídias. Assassin’s Creed tem jogos para os principais consoles (e também para PC, claro), filmes curta-metragem, animações, longa-metragem, quadrinhos e jogos para portáteis (PSP, Nintendo DS, iPhone, Android).

Para os diferentes tipos de gamers, Assassin’s Creed é um bom jogo. Para quem gosta apenas dos jogos “estilo curtição” (aquele jogo para passar um tempo e mergulhar num mundo ficcional ou somente para desestressar), para quem gosta de bons jogos, se interessa pela história, mas não quer levar a coisa tão a sério e, para o gamemaníaco que quer todos os detalhes da história do jogo.

Da mesma maneira, as outras mídias de Assassin’s Creed seguem como diversão garantida, em qualquer mídia atuante. Os livros, os games spin-off, os quadrinhos e os filmes/animações são divertidos e “agregam valor” à história. Mas, claro, para ter acesso a tudo isso, você vai gastar uma graninha, sim. Não precisa ser o ‘rei do camarote’, mas, morar no Brasil torna o acesso ao entretenimento uma coisa meio cara. Se você deseja conhecer mais sobre essas mídias antes de aproveitá-las ou se somente quer saber do que se trata, aqui vai um breve resumo.

Os livros da série

Os livros de Assassin’s Creed seguem a história da Ordem dos Assassinos segundo os principais jogos lançados para console. Até o momento, são seis títulos, assim como os jogos, e todos eles têm, em comum, o foco na história dos Assassinos do passado, não havendo menção à história de Desmond Miles ou existência da máquina Animus. Outro ponto em comum é o fato de todas as brochuras terem sido escritas por Oliver Bowden e publicadas pela Penguim Book nos Estados Unidos e pela editora Galera Record, no Brasil. As diferenças entre as mídias não vão só pela narrativa; a ordem de lançamento dos livros não segue a linearidade dos fatos históricos (mas faz sentido, de acordo com a data de publicação).

 

Assassin’s Creed Renascença: primeira brochura publicada originalmente em inglês no ano de 2009. Conta a história de Ezio Auditore, equivalente aos acontecimentos de Assassin’s Creed II, se passando, como o nome diz, no período da Renascença europeia.

Assassin’s Creed Irmandade: originalmente lançado em 2010, em inglês, o segundo livro segue a história contada em Assassin’s Creed Brotherhood e acompanha Ezio Auditore formando seu grupo de Assassinos e reconstruindo Roma. No Brasil, o segundo livro foi publicado em 2012.

Assassin’s Creed A Cruzada Secreta: já em seu terceiro tomo, publicado originalmente em inglês no ano de 2011, a Cruzada Secreta conta a história do grande Assassino Altaïr Ibn-La’Ahad. Diferente do primeiro jogo da série, o livro é narrado por Niccolo Polo, pai de Marco Polo, e segue a história iniciada no primeiro livro, com eventos compatíveis ao do primeiro jogo. Foi publicado no Brasil em 2012.

Assassin’s Creed Revelações: quarto livro da série, com o original em inglês lançado em 2012, tem sua história equivalente ao jogo homônimo e fazendo sequência às outras publicações. Diferente do jogo, também, o livro conta a história de Ezio e sua busca por respostas, sendo elas interligadas ao grande Assassino Altaïr. No Brasil, Revelações foi publicado somente no ano de 2013, o que gerou bastante confusão por parte dos leitores.

Assassin’s Creed Renegado: publicado em inglês em 2012, o quinto livro traz suas histórias contadas a partir do diário de Haytham Kenway, o pai de Connor. O período histórico é o mesmo, mas há cenários diferentes, passados na Inglaterra do século XVIII ao mesmo tempo em que na Nova Inglaterra, os Estados Unidos. O livro ainda conta com um epílogo narrado pelo Assassino Ratonhnhaké:ton.

Assassin’s Creed Bandeira Negra: o novo volume da série tem data de publicação prevista para novembro de 2013, com datas próximas ao lançamento do jogo. A expectativa é de que a história seja centrada no Assassino-pirata Edward Kenway, assim como o jogo homônimo. O lançamento pareado é o primeiro a possivelmente acontecer no Brasil. As editoras a publicarem o livro, devem permanecer as mesmas, lá fora, e aqui.

Para tirar algumas dúvidas, a ordem dos livros pode ser:

Cronológica Lançamento
A cruzada secreta (1191) Renascença (lançado em 2009)
Renascença (1476) Irmandade (lançado em 2010)
Irmandade (por volta de 1480 e 1490) A cruzada secreta (lançado em 2011)
Revelações (por volta de 1500 ) Revelações (lançado em 2012)
Bandeira Negra (1718) Renegado (lançado em 2012)
Renegado (entre 1770 e 1780)
Bandeira negra (lançamento previsto para 2013)

 

As histórias em quadrinhos

Pelo menos três séries de quadrinhos fazem parte do universo de Assassin’s Creed, sendo elas:

Assassin’s Creed: the fall: lançadas em 2010, The fall, ou simplesmente “A queda”, como ficou conhecida no Brasil, conta a história do Assassino russo Nikolai Orlov, no período histórico entre o final do século XIX e início do século XX, e, ao mesmo apresenta Daniel Cross, o personagem que, no tempo presente, revive as memória do Assassino russo. As comics contém explicações importantes para se ambientar na situação atual da briga entre Templários e Assassinos, além de apresentar muito bem a atmosfera do jogo, em uma mídia diferente.

Assassin’s Creed: the chain: continuação direta de “A queda”, Assassin’s Creed: a cadeia”, como ficou conhecida no Brasil, estreita ainda mais a história entre os personagens Daniel Cross e Nikolai Orlov. Seguindo a qualidade do primeira série, o enredo dá ainda mais vida aos personagens, mantendo a mesma boa atmosfera conseguida com a primeira HQ.

Assassin’s Creed: Subject Four: esta edição nada mais é do que a compilação de AC: the fall e AC: the chain. Por se tratar da história dos mesmo Assassinos (a saga Daniel Cross ou a saga Nikolai, como preferir).

Assassin’s Creed: Desmond, Aquilus, Accipiter e Hawk: por enquanto, são quatro quadrinhos contanto cada qual sobre um Assassino ao longo da história. Os quadrinhos são publicados originalmente na França e no Canadá. Os dois primeiros volumes (Desdmond e Aquilus) contam a história de Desmond e sua memória, no Animus, mostrando outro Assassino do passado, Aquilus. Já na terceira e quarta publicação (Accipiter e Hawk), a história mostra Jonathan Hawk, também membro da Ordem dos Assassinos, revivendo memórias e mostrando o Assassino Accipiter.

Assassin’s Creed: Brahman: pelo meio do ano de 2013, a Ubisoft anunciou, na Comic-com, em San Diego, uma nova publicação para o universo AC. Trata-se de Assassin’s Creed Brahman, que se passa na Índia, no período do século XIX, prometendo um novo personagem Assassino, de novo Arbaaz Mir. A HQ pode ser comprada na Ubiworkshop e ainda não tem data de lançamento confirmada por aqui.

 

 

Outros jogos, outros assassinos

Pelo menos outros cinco jogos já foram lançados pela Ubisoft, incrementado e adicionando detalhes à história da luta entre Assassinos e Templários. Pelo menos um por período histórico, esses jogos surgiram em portáteis, em paralelo com as versões de console/PC. Os títulos são:

Assassin’s Creed: Altair Chronicles: desenvolvido para Nintendo DS, Windows Phone, iOS, Android e Symbian, foi lançado em 2008 e conta eventos passados durante a Terceira Cruzada, em que Altair busca o objeto sagrado conhecido como Cálice.

Assassin’s Creed II: Discovery: segundo a mesma linha de “Altair Chronicles”, o jogo “AC Discovery” foi desenvolvido para o portátil Nintendo DS e também para iOS. No jogo, que se situa entre os acontecimentos de AC II, Ezio tem que proteger que Cristóvão Colombo dos planos de seu inimigo, Rodrigo Borgia, em meio à tentativa dos Templários de expandir seus poderes.

Assassin’s Creed: Lost Legacy: AC Lost Legacy foi um projeto de jogo para Nintendo DS (seria o terceiro game para o portátil), anunciado na E3 de 2010 e cancelado no ano seguinte. O jogo teria uma nova aventura para Ezio Auditore, com a seguinte premissa: o Assassino italiano viajaria para Masyaf para descobrir mais sobre a irmandade a qual pertence, a origem da sua Ordem e outros mistérios. Parece familiar? Sim, tal premissa descreve bem Assassin’s Creed Revelations. Até mesmo a Ubisoft confirmou tal semelhança entre o projeto do DS e o game que saiu para os consoles e PC. Na minha opinião, ainda bem que perceberam o potencial do jogo e o transportaram para console.

Assassin’s Creed: Bloodlines: exclusivamente lançado para PSP (PlayStation Portable) e contando uma história continuação direta de Assassin’s Creed, em AC Bloodlines o jogador vive novamente o Assassino Altaïr, lutando contra os templários na ilha de Chipre, no Mediterrâneo. O jogo mostra mais detalhes sobre a relação de Altaïr com a Maçã do Éden e o aprendizado que ele obtém através do artefato.

Assassin’s Creed: Recollection: AC Recollection foi desenvolvido para iOS e funciona como um jogo tático de cartas. Entre a jogabilidade, é possível realizar a campanha Single Player, com elementos da história da história de Ezio, focada no período de Assassin’s Creed Brotherhood, como também jogar o modo de desafio. É possível visualizar diferentes imagens da franquia, assim como comprar créditos, memórias e até a animação AC Embers.

Assassin’s Creed III: Liberation: lançado em 2012, ACIII Liberation teve desenvolvimento exclusivo para PlayStation Vita e mostrava missões centralizadas na Assassina Aveline de Grandpré, na mesma época em que se passa ACIII. Alguns detalhes interessantes sobre ACIII Liberation é a coexistência da Assassina com Connor, a ausência de Desmond Miles no título, e a experiência relacionada à utilização do Animus por um personagem nas Indústrias Absergo (ACIII Liberation é um jogo, literalmente – lembre-se disso quando jogá-lo) e, por último, o lançamento da versão HD do jogo, prometido para 2014.

Assassin’s Creed: Project Legacy: lançada através de uma página de Facebook em 2010, o Project Legacy dava controle ao jogador para viver memórias através de um “recruta” das Indústrias Abstergo. A página durou alguns anos, pois ‘viveu’ até 2013. Não há nada oficial da Ubisoft acerca do (re)lançamento do jogo. No entanto, é possível encontrar alguns executáveis por aí

Assassin’s Creed Revelations: Discover your legacy: também criada para Facebook. A página tinha como principal objetivo mostrar a descendência do usuário, através de seus ancestrais. Outra curiosidade é mostrar quais dos seus amigos está relacionado à sua história, podendo revelar algumas surpresas, como um Templário entre seus conhecidos (content in english, of course).
A página continua online e é acessível através deste link:
https://www.facebook.com/PromethiumMarketing/app_296563717038782

 

Assassin’s Creed: Initiates: não se trata de apenas um jogo, mas sim de um banco de dados online sobre o universo Assassin’s Creed, contendo várias coisas, inclusive alguns jogos. É possível conhecer a história de todos os Assassinos, assim como detalhes importantes, direto da fonte (Ubisoft). Para os fãs puritanos, é uma verdadeira biblioteca de dados. A conta de usuário da Initiates é ligada ao seu perfil no Uplay, e, ao iniciar uma missão pelo site, você receberá o desafio no console que selecionar (que, de preferência, seja o console que você possui/jogou um dos títulos ‘principais’ de AC). Cumprir tais missões pode lhe render recompensas exclusivas nestes jogos. Para acessar, é só ir aqui (conteúdo em inglês):
acinitiates.com

Assassin’s Creed: Utopia: anunciado em 2012 para dispositivos Android e iOs, AC Utopia tem como premissa um jogo de estratégia ambientado no universo de Assassin’s Creed. O período histórico estaria focado no século XVII e traria ao jogador o desafio de formar uma nova colônia norte americana, segundo palavras do produtor Andreane Meunier, o jogo traria uma experiência única. Confesso, nunca joguei, nem sequer vi.

 

Algumas animações e filmes

Assassin’s Creed: Lineage: com uma série de três curtas, AC Lineage conta a história de Giovanni Auditore, o pai de Ezio, e explica com mais detalhes os acontecimentos que o envolveram antes de seu destino em AC II. Os três vídeos têm duração de entre dez e quinze minutos cada. No YouTube é fácil encontrar os vídeos, mas, para quem já quiser assistir, aqui vai (com áudio em inglês):

Assassin’s Creed: Ascendance: ambientada entre ACII e AC Brotherhood, a animação foca na ascensão de Cesar Borgia e adiciona significado aos acontecimentos do segundo capítulo da saga de Ezio. Animação é narrada por uma conversa entre Ezio e seu amigo, Leonardo Da Vinci. O vídeo está com áudio em inglês, com o forte sotaque italiano, característico da saga Ezio.

Assassin’s Creed: Embers: animação obrigatória para quem acompanhou (nos jogos ou nos livros) a história de Ezio Auditore. Embers mostra o Assassino Italiano já aposentado, vivendo ao lado de Sofia Sartor e tendo que enfrentar seus próprios valores com o aparecimento de uma nova personagem em sua vida. Embers pode ser classificado como um epílogo para a saga Ezio e um ‘must see’ para qualquer um que tenha se simpatizado com o personagem.
A animação foi lançada em 2011 e tem pouco mais de vinte minutos. Dá para conferir aqui (mas, uma dica, prefira a versão legendada, e com áudio em inglês):

Assassin’s Creed: o filme: intitulado simplesmente como “Assassin’s Creed” no IMDB, o filme de AC está datado para junho de 2015 nos Estados Unidos e gera bastante expectativas entre os fãs. A primeira boa notícia é pela presença do ator Michael Fassbender, provavelmente, como protagonista do longa. Não há nenhuma confirmação de personagens ou período histórico, mas os fãs apostam alto na presença do trio Desmond, Altair e Ezio. A segunda, e excelente, notícia é de que a própria Ubisoft estaria produzindo o filme através da Ubisoft Motion Picture, o que dá muita liberdade para a produtora apresentar um filme fiel à história do jogo (já que os gamers estão acostumados aos fiascos em adaptações de jogos para o cinema).

 

Os Assassinos (até agora)

Divididos em cinco grupos, até o momento, os Assassinos que se destacaram na série Assassin’s Creed, por entre os jogos, spin-off, quadrinhos, filmes e animações, são estes aqui:

Império Romano Terceira Cruzada Renascença Revolução Americana Século XIX Tempos Modernos
Aquilus Umar Ibn-La’Ahad Giovanni Auditore Edward Kenway Nikolai Orlov Daniel Cross
Accipiter Altair Ibn-La’Ahad Ezio Auditore da Firenze Haytham Kenway Arbaaz Mir Clay Kaczmarek
Ratonhnhaké:ton (Connor) William Miles
Aveline de Gradpré Jonathan Hawk
Desmond Miles

O futuro da série (mas já?).

Assassin's Creed Rising Phoenix

Pois é. Mal Assassin’s Creed IV Black Flag dá as caras e já tem gente falando no futuro da série… Bem, isso acontece por ‘culpa’ da própria Ubisoft. Primeiro, lá em agosto de 2013, Yves Guillemot, CEO da Ubisoft confirmou que a empresa trabalhava em três títulos. Na época, trava-se do próprio “Black Flag” e de outros dois novos títulos. Claro, mais nenhum detalhe foi noticiado, então é possível que se trate de títulos para os consoles, como também característicos jogos spin-off, para portáteis, celular ou internet, como outros já lançados.

Também em 2013, surgiu o nome de outro título, com a foto abaixo, indicando um possível novo jogo da série. O boato sobre Assassin’s Creed Rising Phoenix caiu na internet e logo a Ubisoft negou qualquer produção com o nome. Alguns sites afirmaram que uma loja virtual, na Europa, listou o game para PlayStation Vita, mas tudo foi negado. Entretanto, eis que surge mais um indício de AC Rising Phoenix, agora, em formato de “easter egg” dentro do próprio AC IV Black Flag. No jogo, a partir da Sequência 6, os fãs afirmaram que é possível encontrar o logo do jogo em uma das áreas de segurança do nível 2 dos escritórios da Abstergo.

A foto do adesivo, você confere aqui:

Assassin's Creed Rising Phoenix em Asassin's Creed IV Black Flag

Do que se trata Assassin’s Creed Rising Phoenix? Só nos resta esperar por mais novidades.

E aí, curtiu o post? Entendeu tudo sobre Assassin’s Creed? Se você ainda quer saber mais, a única dica que eu posso dar é, jogue os jogos. Se o seu forte não está nos jogos, leia os livros. Se já fez tudo isso e a curiosidade vai além, recomendo a Enciclopédia Assassin’s Creed, que chegou em sua versão 3.0 e traz tudo sobre a franquia, incluindo os últimos lançamentos de 2013, Assassin’s Creed IV Black Flag e Assassin’s Creed Brahman. É fã de Assassin’s Creed? Quer saber mais? Deixe seu comentário aí embaixo e vamos conversando sobre a série.

Até a próxima.

Comente via Facebook

Comentários

9
28

28 Comments

  1. Eder 27 de março de 2015

    Peterson, o terceiro livro, A Cruzada Secreta, fala do primeiro jogo, sim (Assassin’s Creed), mas a narrativa é diferente. Enquanto no jogo você controla Altair, no livro, você acompanha a narrativa da mesma história, a partir do diário de Niccolo Polo.

  2. cesar 24 de março de 2015

    Simplesmente a melhor narrativa da saga Assassin’s Creed que já li. Parabéns.

  3. J Correia 24 de março de 2015

    Parabéns…. !!!!

    Ótima organização e sincronização, tirou as minhas dúvidas sem contar “o final do filme”.

    Pra ser perfeito só faltou um link com post comentando a ultima atualização, fecharia com chave de ouro!!!!!

  4. Danilo 12 de março de 2015

    Muito bom cara, me ajudou a entender muito melhor, valeu….

  5. michael 4 de março de 2015

    cara vc arrebentou continue o bom trabalho

  6. peterson 11 de fevereiro de 2015

    só para tirar uma duvida o primeiro jogo diz respeito ao 3 livro!?
    dai depois a sequencia com ezio começa no primeiro livro!?
    desde ja grato pela atenção e muito boa a explicação toda!

  7. Dani Japa 17 de janeiro de 2015

    Parabéns mto bom tirei todas as minhas duvidas.
    melhor do q mto site por ai.

  8. Thiago 13 de dezembro de 2014

    Cara excelente texto, esclareceu muitas coisas a respeito desta saga que tenho muita curiosidade em fazer a sequência correta para entender a história! obrigadão!

  9. herivelto 23 de novembro de 2014

    cara que texto fantastico. parabéns muito escrito …agora sim tirei todas as minhas duvidas sobre AC. o melhor de tudo é que tenho o primeiro jogo ..agora basta dar continuidade a essa fantastica serie

  10. Joao Alves 22 de outubro de 2014

    Cara,parabens o texto esta otimo ! E sem spoiler pro “novatos” em AC

  11. zacarias 18 de outubro de 2014

    Continue assim sua estrutura de texto esta ótima.

  12. suliano 2 de outubro de 2014

    Simplesmente Maravilhoso…
    O cara fez um trampo de 1°,explicou tudo mto bem,eu comecei jogando pelo Revelations,mas já comprei toda a série e aguardo os lançamentos!
    Parabéns pelo trabalho garoto,vc escreveu um belo artigo!

  13. Roberto 26 de setembro de 2014

    Irei ler após zerar os jogos para fixar os dados importantes ^^ ótimo artigo

  14. Klinsmann otte 16 de setembro de 2014

    Muito bom sempre quis saber a historia do AC

  15. Matheus 1 de setembro de 2014

    cara,tudo que eu queria saber,achei neste seu texto,muito bom msm

  16. izete 19 de agosto de 2014

    ah, excelente postagem,, tudo que queria saber, o conteúdo está ótimo, parabéns.

  17. Eder Martins 4 de agosto de 2014

    Fico feliz que gostaram do texto.

    Infelizmente, deixei a Rakuten faz algum tempo, então não fiz mais textos, nem pude atualizar este. Mas tem muita gente boa lá, espero que façam cada vez mais posts legais – e úteis para nós.

    Valeu!

  18. Márcio 4 de agosto de 2014

    excelente post, contando bem a história sem entregar as surpresas que os jogos oferecem, parabéns!!!!

  19. emerson 2 de agosto de 2014

    Otimo texto bem simplificado esta de parabens pelo site

  20. Guilherme 19 de julho de 2014

    Muito bom o post, parabéns. Na minha opinião o melhor AC é o 2, não pela jogabilidade (que melhorou bastante nas últimas versões) mas pela história. Espero que o post seja atualizado em breve porque já foi anunciado o novo AC Unity que passará na revolução francesa.

  21. Messias Pontual 17 de julho de 2014

    Parabéns pela excelente postagem!

  22. Sabrina 16 de julho de 2014

    Pqp !Nossa vc me salvou ! estive procurando essas informasoes em milhões de sites e achei tudo q queria no seu ! obrigadaaa
    e bom trabalho no site,amei ! :3

  23. vinicius 15 de julho de 2014

    mtu bom kra

  24. Bruno F. 28 de junho de 2014

    Não joguei todos ACs mas pretendo(só zerei o III)ótima matéria e conteúdo.
    PS:O ”curta” AC Lineage ficou maneiro demais:D

  25. Euu 11 de junho de 2014

    Muito bom, obrigadooo!!!

  26. Carlos 27 de maio de 2014

    Muito bom o resumo de todos os Assassin’s, parabéns!

  27. Daniel 28 de abril de 2014

    O cara faz um texto gigantesco, olha lá no site dele, que foi visualizado N vezes e não vem nenhum FDP aqui comentar, ao menos pra agradecer ou incentivar o cara a escrever tanto novamente e tão bem, tão organizado e tão simplificado, com o cuidado de não trazer spoilers.

    Obrigado, garoto! Continue escrevendo coisas deste tipo.

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.